quarta-feira, 7 de junho de 2017

Para emagrecer, você escolheria consumir mais calorias de manhã ou à noite?




Quando se fala sobre emagrecimento, é difícil não falar sobre calorias. Porque, apesar de ser uma medida de calor na definição original, as calorias são sinônimo de energia quando entramos no campo da nutrição. E energia tem tudo a ver com emagrecimento e composição corporal.

É por isso que temos a velha máxima: se alguém consome mais calorias (energia) do que o corpo gasta, essa pessoa ganha peso. E vice-versa: uma ingestão de calorias inferior ao gasto energético leva à perda de peso. Essa, a princípio, é a dinâmica do organismo, armazenando ou liberando energia, principalmente da gordura armazenada no tecido adiposo, de acordo com a demanda e a oferta de calorias.

Mas, como se pode imaginar, não é assim que o próprio corpo vê as coisas. Porque ele não consegue contar calorias da maneira como nós fazemos. Nosso organismo trabalha de um jeito um pouco diferente. Sua forma de regular a entrada, o fluxo e a utilização de energia depende de sensores e mecanismos específicos e coordenados, orquestrados por diversas proteínas, substratos energéticos e sistemas corporais diferentes.

O corpo faz essa regulação energética muito melhor do que a nossa simples contagem de calorias. Mesmo assim, não devemos descartar a ideia das calorias.

Apesar de suas limitações, e das nossas limitações como seres humanos na aplicação do conceito, as calorias são bem úteis em diversas situações. Não somos precisos como o corpo humano em perceber as flutuações energéticas, mas podemos usar as calorias dos alimentos como ponto de partida para sabermos como a alimentação influencia a composição corporal das pessoas, como na perda de gordura corporal ou no ganho de massa muscular.

É por isso que, desde que surgiu a ideia de se quantificar as calorias nos alimentos, entre os séculos XIX e XX, fala-se muito sobre elas. E faz sentido: se pelo menos parte da regulação do peso acontece pela forma como o organismo trabalha a energia proveniente da alimentação, falar sobre calorias acaba se tornando algo importante.

Mas, como costumo falar por aqui, as calorias em si não são tudo quando o assunto é emagrecimento. Não podemos achar que a regulação energética do corpo, e consequentemente a composição corporal das pessoas, depende apenas das calorias ingeridas e dispendidas. Existem vários exemplos de como a distribuição das refeições ao longo do dia, assim como o consumo de nutrientes específicos, pode mudar o balanço energético do organismo — de forma praticamente independente das calorias da alimentação.

Por exemplo, existem protocolos de jejum intermitente sem restrição calórica que levam ao emagrecimento. Se as calorias fossem o único fator verdadeiramente relevante quando o assunto é composição corporal, seria impossível uma intervenção nutricional sem restrição calórica levar ao emagrecimento. Mas acontece. Isso quer dizer que a regulação dos níveis de energia do corpo, assim como onde a energia é armazenada e como ela é utilizada, depende de outros fatores que vão além das calorias.

Além disso, temos também o efeito das dietas low-carb em pessoas com resistência à insulina e síndrome metabólica. Especificamente nesses pacientes, uma alimentação com restrição de carboidratos leva a uma maior perda de peso e gordura corporal, quando comparada a dietas mais ricas em carboidratos contendo a mesma quantidade de calorias. Assim como no caso do jejum intermitente sem restrição calórica, pode-se dizer que esse é um resultado impressionante, porque a princípio estaria quebrando leis de termodinâmica e conservação de energia da física.

E essa é apenas parte das evidências. Porque tem mais.

Hoje eu gostaria de falar sobre mais um desses casos que mostram que a questão quantitativa das calorias não é a única coisa que conta. Sobre um tópico que, até aqui, tem ficado “escondido”. Provavelmente porque a própria literatura científica ainda não deu muita atenção a ele (para ser justo, é uma ideia que tem sido explorada há um tempo relativamente curto). Consequentemente, pouquíssimas pessoas, em geral, falam sobre esse assunto.

Se você é uma pessoa interessada em emagrecimento, fique por aqui. Veja como a fisiologia humana é complexa. E impressionante.


O que você consome em cada horário?

Quando falamos sobre horários ou momentos de se alimentar, as duas ideias mais levantadas, discutidas e comentadas são:


1) Qual é o melhor intervalo de tempo entre as refeições? Comer de 3 em 3 horas? Jejum intermitente? Mais ou menos refeições no dia, com mais horas ou menos horas entre elas?

2) Comer carboidrato à noite engorda? Algumas pessoas dizem que sim, outras dizem que não. Meu amigo disse que parou de comer e emagreceu, mas minha nutricionista disse que isso é um mito. E agora?


O primeiro tópico, sobre frequência alimentar, é simples.

Apesar de muita gente ainda difundir a ideia de que comer de 3 em 3 horas “acelera o metabolismo”, diminui a fome e potencializa o emagrecimento, a literatura científica já mostrou que nada disso é realmente verdade. Apesar do cenário estar mudando aos poucos, o “comer de 3 em 3 horas” permaneceu por muito tempo como uma verdade absoluta na nutrição — assim como foi (ou é?) o caso do índice glicêmico.

Como eu nunca escrevi um texto dedicado especificamente à questão da frequência alimentar, vou esclarecer alguns pontos aqui mesmo nesse texto.

Juntando as evidências sobre o tema, os estudos já mostraram claramente que fazer mais ou menos refeições, com intervalos maiores ou menores entre elas, praticamente não faz diferença alguma. Alguns estudos mostram resultados um pouco melhores para uma frequência alimentar menor, enquanto alguns outros estudos já verificaram pequenos benefícios para uma frequência alimentar maior. Mas a maioria dos trabalhos científicos apresenta resultados nulos — ou seja, benefícios iguais em fazer um número maior ou menor refeições ao longo do dia.

Isso significa que a frequência alimentar — número de refeições e intervalo entre elas — não é um fator muito relevante, desde que as calorias sejam as mesmas para as dietas sendo comparadas. Algumas pessoas se adaptam melhor a um número maior de refeições; outras pessoas preferem um intervalo mais longo entre elas. O mais importante é adequar a frequência alimentar às preferências individuais de cada pessoa.

O segundo tópico, sobre a influência da ingestão noturna de carboidratos sobre a composição corporal, é um pouco mais complexo.

Até existe um bom número de evidências que testaram se, quando o assunto é emagrecimento, seria melhor consumir mais carboidratos à noite ou em outros horários. O problema é que virtualmente todos os sites e blogs que falam sobre o assunto nunca citam um número razoável das evidências que temos disponíveis (geralmente citam, no máximo, dois ou três estudos). Isso não é suficiente para mostrar o que a totalidade das evidências científicas já verificaram, e pode gerar análises enviesadas ou incompletas sobre o tema.

Além disso, por ser um assunto um pouco mais emaranhado, e que depende em parte dos resultados dos estudos que serão discutidos como foco central desse texto de hoje, vou deixar para falar sobre o tema “carboidrato à noite engorda?” em outro momento. Até porque esse tópico vai além da questão do emagrecimento, passando também pela influência da distribuição de carboidratos ao longo do dia em parâmetros metabólicos e de saúde.

Então agora sim podemos voltar ao nosso tema central, que não é carboidratos à noite e nem comer de 3 em 3 horas.

A pergunta que eu gostaria de responder é:

O que acontece se você mantiver constante a quantidade total de calorias e o número de refeições de uma dieta, mas alterar a forma como essas calorias são distribuídas ao longo do dia?


Timing de calorias

Já faz um tempo que o conceito de timing ficou bem conhecido na nutrição. A ideia é você aproveitar o momento “certo” para ingerir determinados nutrientes ou alimentos — o horário em que o corpo estaria no estado mais favorável para absorver ou processar o que é consumido.

É muito comum falarmos sobre timing quando nos referimos ao consumo de nutrientes na prática de exercícios, especialmente no período pós-treino. Talvez você já tenha ouvido falar da “janela de oportunidade”. No contexto da musculação, por exemplo, essa janela é considerada como o momento ideal, normalmente de 30 a 60 minutos após o exercício, para se consumir proteínas (especialmente whey protein). Dessa forma, estaríamos maximizando os efeitos anabólicos não apenas do exercício, mas também das proteínas.

A existência da janela de oportunidade como um fenômeno real é questionável, e não temos espaço para discutir sobre ela nesse texto. Mas esse é bom um exemplo do conceito de timing de nutrientes. De forma semelhante, a questão de consumir ou não carboidratos à noite também é um exemplo: pensando em emagrecimento, existiria um timing ideal para a ingestão desse nutriente?

Perceba que, em ambos os casos, estamos falando de nutrientes: proteínas e carboidratos. Algo que não se fala é sobre o timing das calorias.

Será que o momento de ingerir as calorias ao longo do dia é importante para o emagrecimento? Se sim, como isso acontece?

É essa parte que nos interessa agora.


Para emagrecer, mais calorias à noite ou de manhã?

No começo de 2013, Jakubowicz e colaboradores publicaram o primeiro estudo que se propôs a responder à seguinte pergunta: mantendo fixa a quantidade de calorias de uma dieta, o horário de consumir essas calorias faz diferença?

Para isso, os pesquisadores recrutaram 93 mulheres adultas com síndrome metabólica, mas sem o diagnóstico de diabetes, para participarem do estudo. Dessas, 74 completaram as 12 semanas de duração da pesquisa.

As participantes foram divididas em dois grupos: 1) dieta “café da manhã” (BF); e 2) dieta “jantar” (D). As duas dietas foram prescritas para perda de peso, com um total de aproximadamente 1400 kcal/dia. Ambas eram compostas pelos mesmos alimentos, e por isso também continham a mesma quantidade de proteínas, carboidratos e gorduras.

A diferença entre as dietas estava na distribuição das calorias ao longo do dia. Na dieta “café da manhã” (BF), a maioria das calorias era consumida no café da manhã (50% das kcal), seguido do almoço (36% das kcal) e do jantar (14% das kcal). Na dieta “jantar”, as calorias do café da manhã e do jantar foram invertidas, com as mulheres consumindo a maior parte das calorias na última refeição.

Depois das 12 semanas de intervenção, a perda de peso no grupo BF foi mais do que o dobro em relação ao grupo D: -8,7 kg (-11% do peso inicial) x -3,6 kg (-4% do peso inicial). Além disso, é possível perceber que as participantes que consumiram mais calorias no jantar vinham apresentando uma tendência de manutenção e até reganho de peso nas últimas semanas do estudo, enquanto que as mulheres que ingeriram mais calorias no café da manhã mantiveram uma tendência de redução do peso corporal (imagem A, abaixo):




Apesar dos pesquisadores não terem aferido parâmetros mais diretos de gordura corporal, eles mediram a circunferência da cintura, que ainda sim é uma medida indireta muito consistente com os níveis de gordura corporal. Novamente, o grupo “café da manhã” levou vantagem, com uma redução de -8,7 cm (-7,9%) na circunferência da cintura, contra -3,6 cm (-3,2%) no grupo “jantar” (imagem B, acima).

Tanto a insulina basal como o HOMA-IR, ambos marcadores do grau de resistência à insulina, apresentaram reduções significativas do ponto de vista clínico e estatístico no grupo D (-29% e -32,5%, respectivamente). Mas as reduções foram consideravelmente maiores no grupo BF: -51% para a insulina basal e -57% para o HOMA-IR.




Os resultados desses marcadores metabólicos foram tão importantes no grupo BF que, usando o HOMA-IR como padrão classificatório, as mulheres estariam fora da classificação de “resistência à insulina” ou “sensibilidade à insulina alterada”.

E isso foi visto também em outro marcador avaliado que reflete bem, mas de forma indireta, o grau de resistência à insulina de uma pessoa: os triglicerídeos. Enquanto o grupo BF apresentou uma diminuição de 80,3 mg/dL (-33,6%), o grupo D demonstrou um aumento de 26 mg/dL (+14,6%) nesse parâmetro.




Além de todos esses resultados positivos, as mulheres do grupo “café da manhã” ainda relataram menor sensação de fome e maior sensação de saciedade do que as participantes do grupo “jantar” — tanto ao longo do dia (entre as refeições) como para as dietas como um todo (12 semanas de duração do estudo).

***

Um ano depois, mais um estudo mostrou resultados semelhantes. Apesar de ter a mesma duração (3 meses), esse trabalho contou com um número de participantes menor: 36 mulheres, que apresentavam obesidade, foram do início até o final da pesquisa.

As participantes do estudo foram dividias em dois grupos: 1) intervenção, com mais calorias no começo do dia (G1); e 2) controle, com as calorias mais balanceadas entre a primeira e a segunda metade do dia (G2).

Para o grupo G1, a distribuição de calorias foi: 70% no café da manhã + lanche da manhã + almoço, enquanto que lanche da tarde + jantar ficaram com os outros 30%. Já o grupo G2 contou com a seguinte distribuição calórica: 55% na primeira parte e 45% na segunda parte do dia. Nos dois casos, as participantes consumiram dietas com restrição de 600 kcal em relação às suas necessidades energéticas.

Após os 3 meses do estudo, as mulheres que consumiram mais calorias na parte da manhã (G1) apresentaram maior perda de peso do que as mulheres do outro grupo (G2): -8,2 kg x -6,5 kg, respectivamente. Felizmente, os pesquisadores aferiram a gordura corporal (por DXA, padrão-ouro) nesse trabalho. Assim como para o peso total, houve maior perda de gordura corporal no grupo G1 (-6,8 kg) quando comparado ao grupo G2 (-4,5 kg) — e, acompanhando essa maior redução na gordura corporal, houve também uma maior diminuição na circunferência da cintura no grupo G1.




Se analisarmos as mudanças na composição corporal como um todo, é possível perceber que a perda de gordura no grupo G1 não foi maior somente em números absolutos, mas também em termos proporcionais. Isso significa que houve também uma menor perda (ou maior manutenção) de massa magra nas pessoas que consumiram mais calorias na parte da manhã. Subtraindo a gordura corporal do peso total, verifica-se que a redução de massa magra no grupo G1 foi de -1,4 kg, contra -2,0 kg no grupo G2.

Esse resultado para a massa magra é muito interessante do ponto de vista clínico, principalmente considerando que a perda de gordura corporal foi maior no grupo G1. Porque o mais comum de se acontecer é o seguinte: quanto maior é a perda de peso total, maior é a perda de gordura e maior também é a perda de massa magra. Assim, quando temos uma intervenção que leva a uma maior redução de gordura corporal, mas com uma menor diminuição da massa magra, isso é bem significativo.

Apesar de não ter sido detectada uma significância estatística para os níveis de insulina basal entre os grupos, as diferenças foram significativos do ponto de vista clínico, com resultados mais positivos para as mulheres que consumiram 70% das calorias na primeira parte do dia: -6,7 U/mL (-41%), contra -1,8 U/mL (-10%) para as mulheres que consumiram 55% das calorias na primeira parte do dia. Como resultado, a redução no parâmetro de HOMA-IR foi quase o dobro para o grupo G1 em relação ao grupo G2 (-1,37 x -0,74).

***

Um ano antes do primeiro estudo de Jakubowicz et al. (2013) citado acima, o mesmo grupo de pesquisadores já havia observado resultados semelhantes, mas com implicações para períodos prolongados com essas intervenções.

Eles compararam duas dietas: 1) mais calorias de manhã, com café da manhã rico em carboidratos e proteínas (HCPb)*; e 2) mais calorias à noite, com uma dieta low-carb (LCb)*. As dietas dos homens foram calculadas para conter 1600 kcal/dia, enquanto para as mulheres esse valor foi de 1400 kcal/dia.


*As siglas se referem ao café da manhã consumido por cada grupo.
   - HCPb = high-carbohydrate and protein breakfast
   - LCb = low-carbohydrate breakfast


O estudo incluiu mulheres e homens com obesidade, e teve duração de 32 semanas. As primeiras 16 semanas foram com o seguimento ativo das dietas. As 16 semanas subsequentes foram um período de manutenção, em que os pacientes poderiam escolher mais livremente o quanto eles queriam seguir de seus respectivos planos alimentares.

Nas primeiras 16 semanas, os dois grupos apresentaram reduções semelhantes no peso e na circunferência da cintura. Nesse ponto, temos resultados que não seguiram os resultados observados nos dois estudos discutidos anteriormente. E existem pelo menos duas possíveis razões que explicam por que o grupo que consumiu mais calorias na parte da manhã (grupo HCPb), durante a fase de intervenção ativa, não apresentou uma perda de peso superior.

A primeira explicação seria porque o outro grupo (LCb), com mais calorias à noite, consumiu uma dieta low-carb, e nós sabemos que a restrição de carboidratos é especialmente eficaz para o emagrecimento em pessoas que apresentam resistência à insulina — como era o caso dos participantes desse estudo. A segunda razão seria porque a dieta low-carb teve uma quantidade total de proteínas superior** à dieta com mais calorias pela manhã (LCb: 190 g; HCPb: 160 g), e nós sabemos que a maior ingestão de proteínas também é um fator que contribui diretamente com o emagrecimento.


**A quantidade de proteínas no café da manhã do grupo HCPb era maior (45 x 30 g), mas a quantidade total de proteínas na dieta foi superior no grupo LCb.


Mas o ponto mais interessante do estudo não é sobre o período de intervenção ativa, e sim o que aconteceu durante o período de manutenção. Nas últimas 16 semanas, o grupo HCPb (mais calorias de manhã) apresentou resultados consideravelmente mais positivos para os seguintes parâmetros avaliados:

     - Glicemia de jejum: 84 mg/dL x 96 mg/dL
     - Insulina basal: 8,9 U/mL x 23,7 U/mL
     - HOMA-IR: 1,6 x 5,9
     - Triglicerídeos: 122 mg/dL x 175 mg/dL

Além disso, os participantes que consumiram mais calorias pela manhã também relataram uma vontade subjetiva muito menor de consumir alimentos ricos em gorduras, alimentos ricos em carboidratos e fast-food. Na maior parte dos grupos alimentares avaliados, o desejo alimentar no grupo HCPb foi a metade do que foi apresentado pelo grupo LCb.

E isso ajuda a explicar o que aconteceu com o peso dos participantes. Embora a perda de peso tenha sido a mesma nas primeiras 16 semanas na fase de intervenção direta, isso mudou no período de manutenção. Nessas últimas 16 semanas, o grupo low-carb, com mais calorias no jantar, apresentou um reganho de peso de +11,7 kg (dos 15,2 kg que perderam inicialmente). Enquanto isso, o grupo com mais calorias pela manhã continuou emagrecendo, com uma perda de 7,0 kg adicionais (além dos 13,6 kg que já tinham perdido):




Essa diferença toda na perda e no reganho de peso nos faz entender por que os parâmetros metabólicos avaliados ao final do estudo, após as duas fases (intervenção e manutenção), foram tão diferentes entre os grupos. Até as primeiras 16 semanas, as melhorias foram similares. Porém, depois do reganho de peso no grupo LCb e da continuidade na perda de peso no grupo HCPb, os marcadores voltaram a piorar no grupo com mais calorias à noite (LCb), enquanto continuaram a melhorar no grupo com mais calorias pela manhã (HCPb).

Juntos com os dois primeiros estudos comentados, Jakubowicz et al. (2013) e Lombardo et al. (2014), os resultados apresentados sugerem que, além de ser mais eficiente no emagrecimento e na melhora de parâmetros metabólicos, uma dieta com mais calorias pela manhã parece ser mais fácil de ser seguida por um tempo mais prolongado — pelo menos por pessoas que apresentam resistência à insulina e estão consumindo uma dieta com restrição calórica.

Isso é importante porque uma das maiores dificuldades que as pessoas apresentam é justamente a adesão às dietas. Se temos a possibilidade de montar um plano alimentar que possui maior facilidade de ser seguido, isso já é um grande passo para alcançarmos resultados mais positivos no emagrecimento.


Timing de calorias além da perda de peso

Os benefícios do timing de calorias podem ir além do emagrecimento.

Em outro estudo com duração de 3 meses, pacientes com diabetes tipo 2 apresentaram um controle glicêmico — hemoglobina glicada (HbA1c) e glicemia de jejum — visivelmente melhor ao consumirem uma dieta com mais calorias na parte da manhã em vez de mais calorias durante a noite. Além disso, esses mesmos participantes apresentaram uma maior taxa de redução no uso de medicamentos para diabetes (31% dos pacientes, contra 0% daqueles que consumiram mais calorias à noite).

Mas algumas evidências já sugerem que a melhoria no controle glicêmico não demora muito para acontecer. Novamente com pacientes que apresentavam diabetes tipo 2, uma dieta com mais calorias pela manhã levou a níveis sanguíneos de glicose 24% menores em relação aos participantes que consumiram mais calorias no jantar — depois de apenas 7 dias.

E os benefícios parecem se estender para a síndrome do ovário policístico. O que faz sentido, já que essa patologia, assim como a síndrome metabólica e o diabetes tipo 2, também é caracterizada pela resistência à insulina.

Seguindo a mesma lógica dos estudos já mencionados, Jakubowicz e colaboradores*** verificaram que mais calorias pela parte da manhã, durante 90 dias, levou a resultados bem significativos na secreção de insulina (-54%), na testosterona livre (-50%), nos níveis de SHBG (+105%) e na secreção máxima de progesterona (+39%). Além disso, observou-se um aumento na taxa de ovulação das participantes.


***Sim, a maioria dos estudos citados até aqui são do mesmo grupo de pesquisadores. Isso mostra como o assunto tem recebido pouca atenção; se fosse diferente, mais cientistas estariam trabalhando com esse tipo de intervenção.


Tudo isso vai ao encontro do que a literatura científica tem mostrado sobre os efeitos positivos das dietas low-carb na síndrome do ovário policístico (exemplos aqui, aqui, aqui e aqui). Justamente porque os dois tipos de intervenção — dietas low-carb e dietas com mais calorias pela parte da manhã — parecem exercer impacto direto sobre o estado metabólico negativamente alterado que é característico da resistência à insulina, presente na síndrome metabólica, no diabetes tipo 2 e na síndrome do ovário policístico.


Considerações finais

Em primeiro lugar, é importante fazer a ressalva de que, até o momento, nos estudos que focaram na perda de peso e no emagrecimento, as comparações entre consumir mais calorias pela manhã e mais calorias à noite foram feitas no contexto de dietas com restrição calórica. Isso não chega a ser um problema por si só, porque as pessoas que realmente buscam o emagrecimento já consomem dietas hipocalóricas. Mas eu menciono esse ponto justamente porque ficam algumas perguntas, como:

Com mais calorias pela manhã, será que os mesmos efeitos seriam observados em dietas sem restrição calórica? Seria possível emagrecer mesmo sem reduzir a ingestão de calorias, assim como pode acontecer com o jejum intermitente? Ou será que simplesmente haveria uma manutenção do peso (como é de se esperar), uma vez que o consumo de calorias seria equivalente ao gasto energético?

E o que aconteceria no contexto de uma dieta hipercalórica? Será que o aumento na prevalência de sobrepeso e obesidade que temos no mundo poderia ter a ver, pelo menos em parte, com um maior consumo de calorias à noite? Recentemente foi publicado um estudo mostrando que as crianças norte-americanas consomem mais calorias no almoço e no jantar; poderia isso ter uma relação com o aumento da obesidade infantil (e até da obesidade geral) nos últimos anos?

A ciência ainda não sabe a resposta para essas perguntas, mas é difícil imaginar que os resultados caminhariam numa direção contrária ao que foi observado nos estudos discutidos aqui. Por exemplo, uma dieta sem restrição calórica, mas com a maior parte das calorias consumidas pela manhã, provavelmente não levaria à mesma perda de peso de uma dieta hipocalórica nas mesmas condições (como as dietas dos estudos mencionados no texto). Mas eu apostaria que existe uma grande chance do emagrecimento ocorrer, mesmo que seja uma perda menor ou mais gradual, mesmo sem restrição calórica.

E ainda que o emagrecimento não aconteça em dietas sem restrição calórica, os resultados positivos observados nos marcadores metabólicos sugerem que outros benefícios provavelmente estarão presentes para pessoas que consomem mais calorias na primeira parte do dia. Inclusive, o maior emagrecimento com a ingestão de mais calorias durante a manhã, observado nos estudos, parece ser um reflexo de como esse tipo de distribuição de calorias pode afetar positivamente todo o estado metabólica de uma pessoa. É como se o corpo estivesse falando “Essa distribuição de energia é mais adequada para o meu estado metabólico atual”. É por isso que, além da perda de peso, observamos vários outros resultados positivos em parâmetros metabólicos e de saúde.

De fato, um estudo publicado há pouco tempo, em maio de 2017, reforça o que vimos sobre saúde metabólica nos estudos discutidos anteriormente. Três intervenções foram testadas: além da dieta controle (que não interessa muito, nesse caso), os participantes consumiram uma dieta sem jantar (apenas café da manhã + almoço) ou sem café da manhã (apenas almoço + jantar). Apesar do estudo ter durado apenas 24 horas, um único dia de intervenção foi suficiente para ver que pular o café da manhã, quando comparado a pular o jantar, levou a resultados agudos negativos: maior concentração de glicose no sangue (+46%) e maior grau de resistência à insulina (+54%).

Essa é mais uma evidência sugerindo que consumir mais calorias pela manhã realmente parece exercer um efeito metabólico mais positivo no organismo. E, de quebra, são resultados que sugerem que concentrar as refeições do jejum intermitente na parte da manhã, em vez da noite, poderia fazer com que essa prática leve a resultados ainda mais positivos.

No entanto, vale ressaltar também que todos esses trabalhos ainda são estudos iniciais. Estamos apenas começando a entender como as diferentes distribuições de calorias ao longo do dia podem influenciar a composição corporal e a saúde. Mas os resultados, até o momento, sugerem que consumir a maior parte das calorias durante o dia, pelo menos num contexto de perda de peso, potencializam o emagrecimento — e, consequentemente, uma melhor recuperação de um estado metabólico normal.

Essa não é uma fórmula mágica de como emagrecer sem cortar (ainda mais) calorias. É só a ciência mostrando a enorme complexidade da nossa fisiologia, e como a alimentação pode influenciá-la de maneira surpreendente.


***
Se você vê valor no meu trabalho, considere fazer uma contribuição.



103 comentários:

  1. Olá João!

    Descobri o seu blog há pouco tempo quase que por acidente e devo dizer que foi uma grata surpresa encontrar um material tão bem embasado em Português.

    Sou uma pessoa das exatas, cientista cético e sempre atento às armadilhas de quaisquer viéses de confirmação.

    Um dos meus assuntos de interesse é justamente a ciência da nutrição e por isso tenho companhado a difusão de vários trabalhos nessa área por meio de publicações de pessoas como: Dr. José Carlos Souto, Lara Nesteruk, Dr. Jason Fung, Dr. Aseem Malhortra, Dr. David Ludwig, Dr. Zoe Harcombe, Nina Teicholz, Gary Taubes.. entre outros.

    Nesse momento estou escrevendo apenas para agradecer pelo seu excelente trabalho e comprometimento com a ciência nessa área tão sensível para a saúde humana. Certamente irei divulgar o seu site pois é o tipo de material que as pessoas precisam conhecer.

    Sobre esse seu texto, acredito que há um pequeno equívoco nesse trecho (apenas uma crítica construtiva considerando que com certeza você gosta de escrever e não há dúvidas de que escreve muito):

    “Tudo isso vai de encontro com o que a literatura científica tem mostrado sobre os efeitos positivos das dietas low-carb na síndrome do ovário policístico”.

    O termo “vai de encontro” expressa contrariedade. Ou seja, sentido oposto, discordância. Acredito que o que você queria dizer “vai ao encontro”, que nesse caso significaria concordância. Cito isso pois muda totalmente o sentido da sua afirmação.

    Mais uma vez agradeço imensamente por sua disponibilidade em tratar tão responsavelmente sobre um assunto tão importante para a vida das pessoas.

    Atte.
    Flávio Ribeiro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Flávio!

      Primeiramente, obrigado pela leitura. E também pela gentileza de apontar o erro no uso do termo "vai de encontro".

      Mas, por incrível que pareça, esse foi um erro proposital. Não sou especialista em português, mas conheço bastante da língua. E alguns erros eu cometo de propósito mesmo, como esse. Isso não quer dizer que todos os erros acontecem por querer; alguns podem ser por desconhecimento, outros podem ser por falta de atenção. Mas, dos poucos que passam, a maioria é de propósito mesmo.

      Só pra citar outro erro de propósito nesse mesmo texto:

      "E ainda que o emagrecimento não aconteça em dietas sem restrição calórica, [...]". Quem conhece os detalhes da nossa língua sabe que deveria haver uma vírgula antes de "ainda". (O próprio termo “pra”, logo acima, muito possivelmente ainda não é reconhecido como “correto” pela nossa gramática).

      Eu faço isso como uma crítica aos excessos da língua portuguesa. O mais importante de qualquer língua é garantir a comunicação, e não são esses pequenos detalhes que vão atrapalhar. No caso do “vai de encontro” e “vai ao encontro”, pouquíssimas pessoas conhecem a distinção. Além disso, todo o contexto do texto explica o significado dessa expressão, sem necessariamente termos que racionalizar sobre isso.

      Mas, como os termos são muito parecidos, vou fazer a troca!

      Espero que a minha explicação não soe como uma crítica à sua observação. Eu jamais faria isso, porque são poucas pessoas que demonstram atenção a esses detalhes; e falta de atenção é um verdadeiro problema hoje em dia.

      Mais uma vez, obrigado pela leitura.

      Excluir
    2. Entendi seu objetivo João e não tenho ressalvas. Afinal, do ponto de vista da linguística, o que importa é a compreensão da mensagem. Estamos alinhados quanto a isso! :-)

      Citei aquele trecho pois quando o li tive que voltar boa parte do texto para ver se eu tinha deixado passar algo pelo caminho, afinal o sentido da afirmação mudava a compreensão sobre a associação aos estudos. Fico feliz que essa associação seja positiva.

      Forte abraço e até mais!

      Excluir
  2. Oi, João!
    Eu sou daquelas que se alimentam em momentos de ociosidade e não de ansiedade. Assim, sempre foi difícil café da manhã (no corre-corre). Além do mais, comer logo cedo me abre o apetite, e passo o resto do dia "mascando"...
    Prefiro ingerir alimentos entre 12 e 19 horas (almoço, lanche, jantar) e tem funcionado: 52 anos / 1,68m /59kg / saudável. Faço "Slow Carb" com alimentos naturais.

    A proteína parece um grande tabu em quase todas as dietas, embora tão saciante. Fala-se tanto em carboidrato, gordura natural, e a proteína fica meio à parte, um complemento. No balanço entre seus malefícios e benefícios há uma porcentagem verdadeiramente ideal?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Cristina.

      É muito difícil dizer que existe uma quantidade ideal de proteína a ser ingerida. Quantidades relativamente baixas e relativamente altas, indo de ~8% a ~40% (ou até mais) das calorias, são bem toleradas e já foram observadas em populações saudáveis.

      Independentemente disso, o que você falou e o que foi brevemente comentado no texto vale sempre ser lembrado: uma maior quantidade de proteínas na dieta é um fator que, embora às vezes esquecido, pode ajudar muito no emagrecimento.

      Excluir
    2. Obrigada pela resposta, João.
      Marido reverteu a síndrome metabólica com "Low Carb Healthy Fat"; todavia, aumentou a ingesta de proteína animal...
      Agora, estou mais tranquila!

      Excluir
  3. Novamente, parabéns pelo trabalho! Eu passei a leitura toda, até chegar ao desfecho, relacionando tudo e me questionando quanto ao jejum no período da manhã vs. jejum no período da noite e, então li a mesma conclusão. Irei fazer essa mudança nos horários e testar! E, enfim, coloque ''complexidade'' nisso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Isabella.

      Até onde sei, ainda não há estudos comparando os efeitos de médio prazo do jejum intermitente pela manhã contra o jejum à noite. Mas algumas evidências, como as apresentadas no texto, nos levam a crer que restringir a ingestão durante a noite pode trazer mais benefícios.

      Além disso, minha experiência com pacientes também mostra que isso parece ser verdade. É claro que casos clínicos não tem um poder científico muito forte, mas podem nos ajudar a entender como o corpo e as intervenções nutricionais funcionam.

      Excluir
  4. Olá, Uma dúvida minha que não corresponde a esse post.
    Quais são as evidências de que altas doses de Vitamina D3 (10.00UI por dia) cause hipercalcemia? A gente vê alguns médicos ortodoxos dizendo que é arriscando manter níveis séricos de 80, 100 ng/mL, cada vez mais vejo gente usando doses suprafisiológica, tratando doenças autoimunes e sem nenhum efeito colateral.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      Num prazo relativamente curto, de semanas ou até poucos meses, mesmo altas doses de vitamina D parecem não alterar os níveis sanguíneos ou urinários de cálcio:

      https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19389005

      Mas isso vale para pessoas com deficiência ou insuficiência de vitamina D. Desconheço de estudos que testaram a suplementação de altas doses em pessoas com níveis considerados adequados (acima de 30 ng/mL, geralmente).

      Além disso, a questão principal não é a calcemia. A concentração sanguínea de cálcio provavelmente não vai aumentar, mesmo com a suplementação de doses elevadas de vitamina D, e mesmo em pessoas com níveis adequados. O cálcio não fica elevado porque sua regulação é muito bem controlada. Uma das formas que o corpo tem de manter constante a concentração sanguínea de cálcio é pela excreção desse mineral.

      E esse é o problema. Porque a maior excreção de cálcio na urina não apenas pode aumentar o risco de cálculo renal, mas também é um indicativo de um aumento no cálcio circulante (mesmo com a calcemia dentro da normalidade, devido à rápida e precisa regulação). Esse cálcio que circula, em excesso, com o tempo pode se depositar em vasos sanguíneos e alguns tecidos.

      Você provavelmente não vai encontrar evidências, em estudos, de que altas doses de vitamina D causam aumento na calciúria (considerando as condições que você perguntou). Justamente porque virtualmente não existem estudos testando a suplementação de altas doses de vitamina D em pessoas que já possuem um status adequado.

      Mas o aumento na excreção de cálcio pela urina de fato acontece. Qualquer profissional de saúde que já trabalhou com doses elevadas de vitamina D, e mediu a calciuria do paciente, pode te afirmar isso.

      Fisiologicamente falando, isso acontece porque um dos papeis da vitamina D é aumentar a concentração sanguínea de cálcio. A vitamina D faz isso de várias formas: a maior absorção intestinal de cálcio e o aumento na reabsorção óssea (retirada de cálcio dos ossos para o sangue) são dois exemplos. Quando existe a suplementação de altas doses, esses processos acontecem além do necessário. Mas, como a calcemia é rapidamente corrigida, a calciúria inevitavelmente aumenta.

      Excluir
    2. Entendi, de fato concordo com sua afirmação. A minha dúvida era justamente sobre a hipercalcemia em si, já que as críticas a dose de vitamina D seria simplificada por ditúrbio do cálcio apenas, ocasionando arrimtias, como já saiu na mídia que vitamina D causa arritmia cardíaca.

      O uso concomitante da Vitamina K2 MK7 preveniria essas calcificações, em pacientes que o benefício de uma dose superior ultrapassa os riscos?

      Obrigada

      Excluir
    3. A suplementação com vitamina K2 seria uma possibilidade para prevenir possíveis calcificações indesejadas. Fisiologicamente falando faz sentido, ainda mais porque muitas pessoas podem não ter níveis ideias de vitamina K2. Mas não é possível ter certeza. Porque, novamente, ainda não há estudos que testaram essa hipótese diretamente.

      Se for um caso em que a alta dosagem de vitamina D é um tratamento terapêutico, como no protocolo de vitamina D para doenças autoimunes, eu particularmente sou a favor da suplementação de vitamina K2.

      Excluir
  5. Boa tarde tudo bem? É cláudia de São Paulo capital
    Minha nutricionista é ortomolecular segue a linha do lair ribeiro.
    Ela pode me prescrever um remedio chamado Nacetil-Cisteina? 500mg?
    Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1X ao dia. Minhas irmãs tão achando gozado ela ter passado remédio. Mas achei bom, barato e ela disse que ajudaria.
      Já comprei até. Obrigada. Cláudia

      Excluir
    2. Olá, Cláudia.

      No Brasil, a N-acetil cisteína (NAC) é comercializada como medicamento. Mas, quimicamente falando, ela muito mais um nutriente (aminoácido) do que qualquer outra coisa. É uma substância bem segura, e pode ajudar sim em muitos casos.

      Atualmente, não tenho certeza se o Conselho Federal de Nutricionistas libera a prescrição de NAC. Mesmo assim, muitos nutricionistas prescrevem. Isso teoricamente poderia ser contra a legislação, mas não chega a ser um problema. Justamente por se tratar de uma substância segura e eficaz.

      Excluir
  6. Resultados no mínimo interessante. Vai de encontro com a prática de jejum intermitente e dieta do guerreiro praticado por muitos, já que a maioria dos praticantes (que eu conheço) tem o hábito de pular o café da manhã. Seria o jejum com janela de alimentação no período manhã/tarde melhor que jejum com uma janela tarde/noite?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Daniel.

      Como respondi em um comentário acima, não tem como afirmar qual janela de alimentação seria melhor no jejum intermitente porque não temos estudos para isso.

      Mas algumas evidências indiretas, como os estudos citados nesse texto, sugerem que, num protocolo de jejum bem desenhado, colocar a janela de alimentação pela manhã poderia trazer ainda mais benefícios na composição corporal e na saúde metabólica.

      Excluir
  7. Cada dia que passa mais esse tal Lair Ribeiro está se envolvendo em problemas.Dessa fez ele afirma que Whey protein é junkfood.

    Gostaria de sua opinião sobre essa entrevista:

    https://www.youtube.com/watch?v=ULLhxoVurkQ

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      Dizer que o whey protein é pouco aproveitado pelo corpo vai contra tudo que a literatura científica mostra. É mais um exemplo de como o Lair Ribeiro às vezes fala coisas baseadas no que ele acredita, e não no que a ciência já verificou. Sem contar que, nos últimos anos, foram publicados vários trabalhos científicos sugerindo que o whey protein fornece peptídeos que possuem potenciais benefícios, dos quais o mais bem estudado até o momento provavelmente é a regulação da pressão arterial.

      Além disso, ele afirma que whey protein é junk food baseado no fato de que a legislação brasileira permite um "excesso" de carboidratos na composição desse produto. De certa forma, é verdade que o whey protein CONCENTRADO (mas não o whey ISOLADO) possui uma legislação muito branda, permitindo que os produtos possam conter -- dependendo da qualidade que cada empresa quer em seus produtos -- menos proteínas, e mais carboidratos, do que deveriam.

      Nesses casos, o produto final, que deveria ser muito rico em proteína, realmente acaba ficando com uma quantidade relativamente baixa desse nutriente. Mas isso não o torna um junk food. Porque os carboidratos e proteínas contidos no whey não são nutrientes intrinsecamente prejudiciais.

      O que poderia (talvez) tornar o whey um “junk food” seriam os aditivos presentes na composição de vários produtos desse tipo, como adoçantes e corantes. Mesmo assim, se compararmos com a maioria dos outros alimentos processados e modificados que as pessoas comem, ainda assim a quantidade de aditivos, no geral, é pequena. Isso faz com que o whey protein, mesmo aqueles que possuem aditivos, seja potencialmente menos prejudicial do que outros produtos industrializados. É sempre bom evitar ao máximo os aditivos.

      Excluir
  8. Bom dia, aproveitando a brecha vou perguntar:
    Toda vez que tomo leite percebo uma exacerbação da acne. Dei uma pesquisada por ter ouvido falar antes, e parece ter de fato uma relação com leite.
    Quero comprar um suplemento de whey pra mim, acha que pode agravar a acne também? ou só o leite como todo? uso leite desnatado, menos gordura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      Se o leite, no seu caso, é um alimento que parece exacerbar a acne, um suplemento de whey protein a princípio não seria uma boa ideia.

      O mecanismo pelo qual o leite pode piorar casos de acne é pelo efeito que ele tem sobre vias bioquímicas anabólicas, como a via do mTOR. E são justamente as proteínas do leite, especialmente as proteínas do soro (whey protein), os principais fatores estimulantes dessas vias.

      Caso queria experimentar com algum suplemento semelhante, você pode tentar aqueles à base de proteína da carne ou proteína do ovo. Hoje já existem algumas diferentes opções no mercado.

      Excluir
  9. O blog segue mantendo o alto nível, em forma e em conteúdo. Parabéns, João!

    ResponderExcluir
  10. Opa, bom dia
    Qual são os riscos de usar whey sem estar treinando?
    eu comecei a treinar inicio do ano, mas tive que parar por motivos acadêmicos tive que parar de ir, eu sou bem magro ( sou ectomorfo )
    queria saber alguma estratégia dietética que posso fazer para não perder massa muscular. E se possível falar sobre o jejum, usado para perda de peso algumas vezes, pode fazer com que pessoas magras também percam peso? De manhã não gosto de tomar café.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      Não existe praticamente nenhum risco de consumir whey protein sem estar treinando. Algumas pessoas, dependendo do restante da alimentação, poderiam correr o "risco" de um leve ganho de peso, mas isso dificilmente aconteceria com uma pessoa ectomorfa.

      Se você tiver ganhado um pouco de massa muscular, e parar de treinar, não vai ter nada que você possa fazer para manter esse ganho. Principalmente se você possui um biotipo de ectomorfo.

      Se você não gosta de tomar café da manhã, e faz isso há muitos anos, seu corpo provavelmente já se adaptou a esse tipo de jejum. De uma forma ou de outra, seu organismo tem compensado esse hábito de alguma forma para fazer com o que o seu peso seja mantido.

      Excluir
  11. É possivel se alimentar bem sem comer gluten?
    pois parece que recentes estudos mostraram que o glúten auxilia na prevenção da diabetes por ter fibras, pães etc...

    Eu estou há bastante tempo me dedicando sem comer glúten, mas sempre compro pão sem glúten e deixo na geladeira, quando me dá vontade compro. Meu marido agora veio me debochar sobre esse artigo cientifico e eu invisto dinheiro em produtos sem glúten porque me sinto bem sabendo que é menos prejudicial e agora to perdida...
    Me ajuda o que faço?

    Obrigada. Claudia Ferreira, de Ipatinga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Claudia.

      Esses estudos não mostram que o glúten auxilia na prevenção de diabetes ou outras doenças. Porque esses trabalhos científicos são o que chamamos de estudos observacionais. Neles, podemos estabelecer associações entre variáveis, mas não relações de causa e efeito.

      O que alguns estudos mostram é que o maior consumo de glúten está associado a um menor risco de algumas doenças. Mas isso não quer dizer que a ingestão de glúten é um fator causal nessa relação. Essa observação (mais glúten = menor risco de diabetes, por exemplo) provavelmente significa que pessoas que consomem glúten consomem mais fibras; o maior consumo de fibras, por um lado, poderia ser justamente esse fator que explica porque as pessoas que consomem mais glúten possuem um menor risco de desenvolver diabetes (ou poderia ser um outro fator qualquer, mas não necessariamente conhecido, que explicaria por que o consumo de glúten está associado ao menor risco de diabetes).

      Resumindo: o glúten não é um fator protetor de doenças. Por isso, é sim completamente possível ter uma dieta saudável sem glúten. Desde que os alimentos com glúten que forem retirados sejam substituídos por alternativas saudáveis (hortaliças, frutas, tubérculos, castanhas etc), e não por "produtos sem glúten" (pão sem glúten, macarrão sem glúten, biscoito sem glúten etc).

      Esqueça os substitutos dos alimentos que originalmente contêm glúten, e foque em outros alimentos que são naturalmente isentos de glúten, como os citados acima. Os produtos sem glúten normalmente são pobres em nutrientes, enquanto que as comidas de verdade naturalmente isentas de glúten são mais ricas.

      Excluir
  12. Queria saber se nutricionista pode fazer dieta e colocar marca dos produtos tipo "biscoito de arroz camil 12 und..." "barra de proteína bio02" Manipulada farmácia específica - capsula vegetal sem corante" etc.....

    Obrigada acho você óitimo profissional
    Grata. Mônica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Mônica.

      De acordo com o Código de Ética dos Nutricionistas:


      "Art. 7º No contexto das responsabilidades profissionais do nutricionista são-lhe vedadas as seguintes condutas:

      [...]

      X. divulgar, fornecer, anunciar ou indicar produtos, marcas de produtos e/ou subprodutos, alimentares ou não, de empresas ou instituições, atribuindo aos mesmos benefícios para a saúde, sem os devidos fundamentos científicos e de eficácia não comprovada, ainda que atendam à legislação de alimentos e sanitária vigentes".


      "Art. 22. Relativamente à publicidade, é vedado ao nutricionista:

      [...]

      II. divulgar dados, depoimentos ou informações que possam conduzir à identificação de pessoas, de marcas ou nomes de empresas, ou de nomes de instituições, salvo se houver anuência expressa e manifesta dos envolvidos ou interessados;

      III. valer-se da profissão para manifestar preferência ou para divulgar ou permitir a divulgação, em qualquer tipo de mídia, de marcas de produtos ou nomes de empresas ligadas às atividades de alimentação e nutrição;

      Parágrafo único. Para fins do inciso III deste artigo, quando da orientação ou prescrição dietética, havendo necessidade de mencionar marcas, o nutricionista deverá indicar várias alternativas oferecidas pelo mercado. (“Parágrafo único” incluído pela Resolução CFN nº 541/2014)".


      ***


      Estritamente falando, se o profissional oferece apenas uma opção de marca para determinado produto, ele estaria agindo de maneira antiética. Mas e se esse produto realmente só tiver uma boa opção? Na maioria das vezes esse provavelmente não é o caso, mas pode ser.

      Uma forma de contornar essa dúvida, por exemplo, é perguntar ao nutricionista por que ele recomendou apenas uma marca, ou apenas um produto da forma X ou Y. E daí ver se a explicação faz sentido.

      Isso vale também para recomendações de farmácias de manipulação. Sempre vale perguntar o porquê, se foi feita apenas uma recomendação.

      Excluir
  13. Olá, João Gabriel!
    Parabéns por mais esse belo texto, como sempre, uma leitura satisfatória.
    Gostaria, se possível, de esclarecer algumas dúvidas sobre gorduras.
    Posso consumir gorduras insaturadas (mono / poli) para aumentar o colesterol HDLc desde que em temperatura ambiente? Inclusive os óleos processados (girassol, soja, etc.)?
    A gordura saturada de fato contribui para o aumento do colesterol LDLc?
    Como a gordura na configuração trans é absorvida pelo organismo, é convertida em energia também?
    E por último, porque os triglicerídeos variam em função da ingestão de carboidratos?
    Muito obrigado!
    Paulo Fernandes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Paulo.

      As gorduras poli-insaturadas geralmente não levam ao aumento do colesterol HDL (HDLc); na verdade, costumam até reduzi-lo. Com as gorduras monoinsaturadas, o aumento do HDLc pode acontecer, mas quando acontece é modesto. As principais gorduras que levam ao aumento do HDLc são as gorduras saturadas.

      Além de levarem ao aumento do HDLc, as gorduras saturadas muitas vezes elevam também a concentração sanguínea de colesterol LDL (LDLc). Não acontece com todo mundo, porque depende do metabolismo de cada um. E pode acontecer em maior ou menor intensidade, dependendo novamente do metabolismo de cada pessoa, da fonte dietética de gordura saturada e do restante da alimentação.

      Mas tanto o aumento do HDLc como a redução do LDLc pela alimentação a princípio não influenciam o risco de nenhuma doença. Esses marcadores são considerados como fatores de risco de vários problemas de saúde, é verdade, mas isso não significa que eles são causas desses problemas.

      O que acontece é que, quando uma pessoa desenvolve um quadro de resistência à insulina, síndrome metabólica ou diabetes tipo 2, normalmente em resposta ao sobrepeso ou ao acúmulo de gordura na região abdominal, o metabolismo começa a apresentar vários problemas. Uma das respostas é justamente as alterações nos níveis de HDLc, LDLc e triglicerídeos. Mas essas são apenas consequências de um quadro metabólico alterado; é como se o corpo estivesse avisando que algo está errado.

      É por isso que modificar diretamente esses marcadores não é a solução do problema. O que precisa ser feito é a correção da raiz do problema: o quadro metabólico alterado. E isso é alcançado principalmente pela normalização da composição corporal da pessoa, que como consequência vai levar à redução do quadro de resistência à insulina e à normalização desses marcadores que se alteraram.

      Para alguns detalhes adicionais sobre esse assunto, você pode ler um dos comentários que escrevi nesse texto: http://bit.ly/2qRLW1D. Você pode usar a ferramenta de busca do seu navegador (Ctrl+F no Windows, Cmd+F no Mac) e procurar por “vou explicar brevemente” (sem incluir as aspas) para encontrar o comentário.

      Em relação às gorduras trans, elas são absorvidas e metabolizadas de maneira praticamente igual às gorduras com configuração cis (as gorduras “normais”).

      E agora sobre os triglicerídeos. A concentração sanguínea deles depende bastante dos carboidratos da alimentação principalmente por causa da insulina. Os triglicerídeos medidos no sangue são os principais componentes das lipoproteínas chamadas VLDLs; outras lipoproteínas, como LDLs e HDLs, também carregam triglicerídeos, mas em quantidades bem menores. O que acontece é que a insulina estimula a via de produção das partículas de VLDL, fazendo com que a concentração sanguínea de triglicerídeos aumente como consequência da ingestão de carboidratos.

      Isso pode parecer ruim, mas não é. Porque a associação dos triglicerídeos sanguíneos com problemas de saúde segue a mesma lógica que expliquei acima para o HDLc e para o LDLc. O problema existe quando alterações metabólicas levam a modificações nos níveis de triglicerídeos no sangue. Quando existem flutuações nos triglicerídeos exclusivamente por causa da dieta, isso a princípio não é um problema.

      Excluir
    2. Olá, João Gabriel!
      Muito obrigado pelo retorno!
      Abraço.

      Excluir
  14. Boa noite João Gabriel!
    Veja se pode responder uma dúvida!
    Sou uma pessoa magra e alta, meu consumo calórico é alto, mais de 3500kcal dia.
    Minha dúvida é a seguinte: Seria possível eu estar comendo acima de minha necessidade e teoricamente estar "desgastando" meu pâncreas desnecessariamente com a produção de insulina porque meu corpo tem a capacidade de regular o metabolismo e não permitir que eu engorde, sendo que talvez 2500kcal fosse suficiente? Existe algum sentido nisso que eu disse?
    Obrigado, Henrique

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Henrique.

      Possível seria, mas é difícil dizer com muita certeza. É uma dúvida interessante, mas que ainda não foi (e talvez nunca seja) testada diretamente por estudos científicos.

      Mas eu imagino que isso não vai acontecer. Muita gente diz que o pâncreas se "cansa" por causa de uma ingestão de carboidratos ou de calorias "elevada", mas isso não passa de uma hipótese. Pode ser verdadeira, mas não sabemos ainda.

      Pelo meu entendimento da literatura científica, não é exatamente isso que acontece. A "exaustão" do pâncreas ocorre de maneira simultânea a outros problemas metabólicos no organismo. E todas essas alterações negativas vêm acompanhadas do acúmulo de gordura no corpo, especialmente na região abdominal. Por isso, enquanto você estiver com uma composição corporal adequada, é difícil imaginar que seu pâncreas vai desenvolver algum problema.

      Excluir
    2. João Gabriel,
      Existe uma forma de saber se meu consumo calórico atual é adequado? Se consigo manter o peso, seria adequado ou uma capacidade de superior de regulagem (popularmente conhecido como "magro de ruim")?
      Obrigado.

      Excluir
    3. Olá.

      O corpo sabe muito. Na maior parte da vida adulta, se existe uma manutenção de peso, é porque o corpo está naturalmente regulando a energia que entre e a energia que sai. Nesses casos, não há muito com o que se preocupar.

      Mas, além do peso, outras coisas podem ser observadas. Você pode ir a um nutricionista, de tempos em tempos, para pelo menos avaliar sua composição corporal. Com as medidas das dobras cutâneas e circunferências corporais (ou outras formas de medir gordura corporal e massa magra), dá pra saber melhor se a manutenção do peso corresponde a uma boa composição corporal.

      Digo isso porque adultos mais velhos, assim como pessoas idosas, podem apresentar uma manutenção de peso e mesmo assim caminharem para uma composição corporal não saudável. Com o tempo, principalmente para pessoas que não praticam exercícios de força de alta intensidade (como musculação), ocorre uma perda de massa muscular. Se ao mesmo tempo houver um aumento na gordura corporal, o peso pode simplesmente não se alterar, justamente porque a perda de massa muscular estaria sendo compensada pelo ganho de gordura corporal. E isso é bem comum de acontecer.

      Por isso é bom avaliar a composição corporal, e não apenas o peso. Principalmente quando ficamos mais velhos. Se você não puder ou não quiser ir a um nutricionista, pode no mínimo avaliar as próprias circunferências em casa (de preferência com ajuda de alguém, pra ter um pouco mais de precisão). Mas o ideal mesmo seria procurar um profissional de saúde competente.

      Se você focar em consumir comida de verdade, e evitar ao máximo produtos processados e industrializados, fica mais fácil. Para quem gosta, existem os sites e aplicativos que calculam gasto energético e consumo energético, que também podem ajudar.

      Excluir
  15. Boa Dia, João Gabriel
    Parabens pelo belo trabalho, uma duvida estou começando uma dieta focando na hipertrofia ,mas tenho um velho habito que estou com dificuldade de deixar colocar pitadas de sal e pimenta (forte) nas minhas refeições para "dar mais sabor", quanto isto pode me prejudicar? Grato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Durães.

      Provavelmente em nada. Recomendo a leitura dos textos que escrevi sobre sal e sódio para te ajudar:

      - http://bit.ly/2tqasqP
      - http://bit.ly/2u36BxI
      - http://bit.ly/2slx4cG

      Excluir
    2. Grato pela atenção meu querido, aproveito e faço uma sugestão de pauta (se é que ja não foi escrito algo sobre): Óleo de Coco.
      Abraço

      Excluir
  16. Ta na moda abacate, quais os beneficios? as gorduras presentes nele são benéficas para o colesterol?

    Obriagada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      São vários benefícios associados ao consumo de abacate. Muitos mesmo. Provavelmente conseguimos encontrar estudos mostrando um menor risco de qualquer doença crônica com um maior consumo de abacate.

      Primeiro porque as pessoas mais saudáveis geralmente possuem um consumo maior de abacate. Segundo porque, devido aos nutrientes e compostos bioativos contidos nesse alimento, ele possui um elevado potencial antioxidante e anti-inflamatório, que poderiam prevenir e combater praticamente qualquer doença crônica.

      O abacate, tanto pela elevada quantidade de gorduras monoinsaturadas como pela presença de fitoesterois, é um alimento capaz de modular os níveis sanguíneos de colesterol. No geral, essa modulação é considerada como benéfica. Mas sugiro ler o comentário que escrevi em resposta às perguntas do leitor Paulo Fernandes para entender o real significado da modulação dos níveis de colesterol pelas gorduras da dieta, incluindo as gorduras presentes no abacate.

      Excluir
  17. Boa noite
    Acha radicalismo num hotel pedir pra fazer ovos sem leite?
    Porque a maioria faz ovo mexido com leite misturado e minha nutricionista uma vez disse pra pedir pra fazer um separado sem.

    Fica muito chato? acha frescura ou não há problema?
    Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      Se sua nutricionista fez esse pedido porque ela acha que você não deve consumir leite, faria sentido pedir para fazer separado. Ou simplesmente optar por outro alimento.

      (O que você poderia fazer é, baseado no que você sente e no que a ciência diz sobre o leite, questionar o posicionamento da sua nutricionista. É claro que essa outra história, caso se aplique).

      Mas, se você pode consumir laticínios, a escolha de pedir separado ou não é totalmente sua. Se não for problema pra você, e se você acha que é importante pra sua saúde, vá em frente.

      Excluir
  18. Olá, João Gabriel.
    Há uns 11 meses venho comendo em média 8 a 10 ovos inteiros/ dia com único intuito de alcançar minha meta energética diária, considero o ovo uma boa fonte de energia, e de quebra, sem carboidratos. Percebi que meu colesterol LDL subiu para o limite. Com seu conhecimento, acha que o ovo possa estar influenciando?
    Obrigado.
    Pedro Manuel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Pedro.

      Sim, o colesterol contido na gema do ovo pode estar influenciando os seus níveis de LDLc. Algumas pessoas não respondem ao colesterol da dieta, mas outras respondem. De qualquer maneira, esse aumento no LDLc a princípio não é um problema.

      Para entender melhor o porquê disso, sugiro ler a resposta que escrevi para o comentário do leitor Paulo Fernandes, um pouco mais acima. Se não me engano, lá eu não mencionei nada especificamente sobre colesterol da dieta, mas o aumento do LDLc pelo colesterol da dieta ou pelas gorduras da dieta significam praticamente a mesma coisa para o corpo.

      Você pode usar o Ctrl+F (Windows) ou Cmd+F (Mac), e procurar pelo nome do leitor que eu mencionei, para achar o comentário com mais facilidade.

      Excluir
    2. Olá, João Gabriel.
      Li sua resposta para o Paulo Fernandes, porém, não entendi muito bem seu comentário onde diz que quando a saúde está "ok" o aumentos do LDLc não é necessariamente ruim. Poderia falar um pouco mais sobre isso?
      Muito obrigado.

      Excluir
    3. Existem basicamente duas formas do LDLc aumentar.

      A primeira é como resultado da disfunção metabólica que acontece em casos de resistência à insulina, síndrome metabólica e diabetes tipo 2. Nesse caso, o aumento do LDLc representa um problema. Mas não porque o LDLc vai atuar como um agente causal de uma doença, por exemplo, mas porque ele reflete um estado metabólico alterado -- um estado corporal doente.

      A segunda forma de elevação do LDLc é pela alimentação. Se a saúde metabólica da pessoa estiver bem, mas essa pessoa possui uma genética em que alimentos com alta quantidade de gordura saturada ou colesterol levam a aumentos no LDLc, isso não é um problema. Porque o LDLc elevado vai ser um reflexo da alimentação, e não de um estado metabólico alterado.

      O mais importante de entender é que o LDLc não é uma causa de doenças, mas apenas um marcador. Então ter o LDLc elevado só é um problema quando temos um ambiente propício para o desenvolvimento de doenças crônica, que é justamente quando o corpo começa a apresentar as alterações metabólicas acompanhadas pela resistência à insulina.

      Por exemplo, um estado metabólico alterado é um fator de risco para doenças cardiovasculares. Não porque o LDLc aumenta, mas por causa de outros problemas que são resultados da disfunção metabólica: função endotelial prejudicada, redução na produção de óxido nítrico, problemas no sistema de coagulação sanguínea, alterações no funcionamento de células endoteliais progenitoras.

      O LDLc aumentado, em casos de resistência à insulina, síndrome metabólica e diabetes tipo 2, é basicamente um “aviso” de que o sistema não está bem. Os problemas de verdade são outros. Então, quando o LDLc aumenta “sozinho”, sem o acompanhamento de disfunções metabólicas, como acontece quando o aumento é resultado exclusivo da alimentação (maior consumo de gordura saturada ou colesterol, por exemplo), isso não é um problema.

      Excluir
  19. Boa noite.
    Minha mãe tem 69 anos e tem um grau de insuficiencia renal com exames laboratoriais alterados.
    Marcamos consulta com um médico que prescreveu suplementos de potássio etc, e 20g de bicarbonato.
    A nutricionista que fomos hoje achou um absurdo e disse que o pH do sangue não altera com suplementos, e também não entendeu o porque do suplemento de wey protein que ele passou a noite. Ela só faz hidroginástica.

    Estamos confusos. O bicarbonato seria para os rins. O que acha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      A alimentação não altera o pH sanguíneo, mas outras substâncias podem alterar. O bicarbonato, inclusive, é uma delas.

      De qualquer maneira, mesmo se deixarmos de lado o efeito que o bicarbonato pode ou não ter sobre o pH sanguíneo, existe um bom número de estudos mostrando que a suplementação de bicarbonato traz sim benefícios para pacientes com problemas renais, especialmente se o quadro já for caracterizado como doença renal crônica. E o principal mecanismo de ação não seria nem pela modificação direta do pH sanguíneo, mas sim pela "neutralização" da amônia no sangue.

      Sem muitas informações, não posso saber o porquê da suplementação do whey protein. De repente é para complementar a ingestão de proteínas, visando a manutenção de massa magra, já que sua mãe tem uma idade avançada. Não sei... O melhor a fazer seria perguntar para o médico, e depois avaliar se faz sentido ou não.

      Excluir
    2. Boa tarde!
      Excelente resposta, acabou respondendo parte da minha!

      Obrigado.
      Rafael Lopes

      Excluir
  20. Boa noite. Tudo bom? Tenho uma dúvida sobre suplemento.

    Deu que tenho potássio 3.8 no sangue. Minha endocrinologista quer que eu coma mais frutas. Gostaria de saber se posso suplementar potássio. Melhor quelado ou só potássio?

    Se não houver necessidade, quais alimentos tem potássio, e quero saber se beber muita água facilita a deficiência desses minerais? Pois eu estava querendo tomar cloreto de magnésio. Tomei uma época curou minhas dores no corpo, parece mágica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      Valores de potássio de 3,8 mEq/L ainda estão dentro da faixa considerada como normal. Então por que a preocupação?

      A suplementação e a alimentação até poderiam fazer aumentar um pouco esse valor, mas não necessariamente. Porque os níveis sanguíneos são regulados muito mais pelas necessidades do organismo de cada pessoa, e muito menos pela ingestão. Mas, como falei, seu potássio sanguíneo está dentro da normalidade, então ainda não tem por que se preocupar.

      E beber muito água não vai levar a uma deficiência de potássio.

      Excluir
  21. Boa tarde, João
    Meu nome é Rafael, comentei uma vez no seu post sobre O mito da alcalinização, mas não estou encontrando o tópico.

    Ontem assisti uma aula muito legal, naquele canal " Ciência inForma " acho eles muito embasamentos cientificamente e muito sérios.

    Foi dito que o uso de suplemento de bicarbonato em atletas, principalmente de alta performance seria interessante para a redução de fadiga, porque reduziria o ácido lático, mas que o bicarbonato não entraria no músculo, ele ficaria apenas estocado no sangue, como uma reserva alcalina de tamponamento, e que, quando houvesse excesso de lactato, o organismo lidaria melhor com essa reserva de íons bicarbonato no sangue. Isso vai totalmente contra o que foi dito sobre alcalinizar o sangue, como poderia ser estocado no sangue bicarbonato, se ele tem que ficar obrigatoriamente entra 7.35 a 7.45. Parece que em atletas, esse valor mais alto, na faixa de 7.45 talvez, seria benéfico.
    O que acha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rafael.

      A suplementação de bicarbonato realmente pode ajudar alguns atletas, principalmente de modalidades moderada-intensa. Não tão intensa, como em exercícios de explosão; não tão moderada, como 2000 m de natação. Mas moderada-intensa, como uma prova de 800 m de corrida.

      O mecanismo de ação é sim, pelo menos em parte, pelo tamponamento no corpo, reduzindo a acidez causada pelo aumento na produção de lactato.

      Mas é importante ressaltar que esse "estoque" de lactato no sangue não permanece pra sempre. Ele só existe enquanto a suplementação for contínua; se ela parar, a concentração de bicarbonato no sangue logo diminui. Além disso, a ação do bicarbonato proveniente da suplementação acontece enquanto o pH do sangue estiver saindo da faixa de normalidade; enquanto o pH estiver normal, o bicarbonato fica apenas "latente", esperando quando o corpo precisar reestabelecer o equilíbrio do pH.

      Excluir
  22. Boa tarde João, excelente trabalho...pesquisei no seu blog e não achei nada sobre termogenicos, faço uma dieta e treino direcionada para a hipertrofia, tenho gordura abdominal e tento diminuir com exercicios aerobicos...vale a pena tomar termogenicos? abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      A que tipo de termogênicos você se refere?

      Excluir
    2. Os que o pessoal chamam de queimadores de gordura como Lipo 6 ou Therma pro da integralmedica...treino a noite tomo algumas horas antes do treino pra nao atrapalhar meu sono, e apos o treino maltodextrina + creatina+ whey protein e após um tempo uma janta "sólida"...queria saber da eficácia desses produtos para perda de gordura localizada mas sem afetar drasticamente minha saúde.muito obrigado

      att Alberto Durães

      Excluir
    3. Não temos estudos testando especificamente cada um desses produtos vendidos como termogênicos. Esse seria o cenário ideal, porque todos eles são diferentes. Mesmo que a maioria inclua a substância A ou a substância B, todos possuem composições diferentes. O que conta não é só o efeito isolado das substâncias, mas também o que a combinação entre elas poderia fazer.

      O que esses suplementos fazem é juntar, num produto só, vários componentes que são considerados como termogênicos. Ou seja, substâncias que diminuem a eficiência energética do corpo -- convertendo parte da energia em calor, em vez de energia utilizável para o organismo.

      O "problema" é que a maioria dos compostos adicionados a esses suplementos nunca foram realmente testados em humanos. Eles possuem um potencial termogênico e de emagrecimento observado a partir de estudos com células e animais. Mas isso não é suficiente para dizermos se os efeitos também aconteceriam em seres humanos.

      Além disso, a ausência de estudos em humanos nos faz desconhecer possíveis efeitos adversos da ingestão desses produtos. Por isso precisamos ter cautela em relação ao consumo desses suplementos.

      A maioria deles, na teoria, possui sim um potencial de ajudar no emagrecimento. Mas, como falei, a ausência de estudos sobre eficácia e segurança não nos permite afirmar muita coisa.

      Eu particularmente não sou muito a favor deles, por um simples motivo: várias das substâncias que são adicionadas a esses suplementos, quando testadas em seres humanos, falham em mostrar benefícios no emagrecimento. Quando dão resultados, os efeitos são muito pequenos.

      Mas devemos ter em mente que, quando testadas cientificamente, mesmo em seres humanos, essas substâncias normalmente são estudadas individualmente. E isso não nos permite saber o que acontece quando elas são combinadas com outros compostos.

      Então um suplemento considerado como termogênico, contendo extrato de chá verde, extrato de citrus sinensis e extrato de vitis vinifera (pra ficar num exemplo mais "natural"), poderia contribuir com o emagrecimento mesmo que, isoladamente, nenhum desses componentes tenham tido resultados significativos em estudos com seres humanos? Sim, porque existe a possibilidade de haver um efeito aditivo desses componentes sobre o emagrecimento.

      Não sabemos. Na ausência de estudos, só o uso na prática poderia ajudar a responder o que não sabemos. Mas, considerando que não existem evidências consistentes de benefícios (dos compostos, isoladamente) e que não entendemos muito bem sobre a segurança de várias das substâncias que são adicionadas (principalmente nos produtos mais comerciais, como os que você citou), podemos nos perguntar: vale mesmo a pena?

      Excluir
  23. Uma pessoa pode ser alérgica a trigo e comer por anos e não ter reações graves, tipo edema de glote etc?

    Segunda faço meu exame de de IgE para trigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      Sim, porque a alergia pode ter manifestações clínicas diferentes em pessoas diferentes. Alguns podem ter reações mais severas, enquanto outros podem ter reações mais brandas.

      E lembrando: IgE aumentado para qualquer antígeno, incluindo trigo, não necessariamente significa alergia. Costuma ser um bom indicativo, mas nem sempre certeiro, porque todos os testes de alergia podem dar resultados falso-positivos.

      Excluir
    2. Depois que parei de comer trigo nunca mais tive azia, e lá se vão quase 2 anos. Hoje, se como pão ou tomo cerveja, passo muito mal.

      Alergia a glúten? Sensibilidade não-celíaca ao glúten? Sensibilidade a FODMAPS? Não sei.

      Excluir
    3. Então qual é o teste para detectar alergia?
      Isso vai contra o que meu médico disse. Ele disse que o único exame para ver glúten é biópsia intestinal no caso de celiaca, ou IgE no caso de alergia.

      Se der positivo, ainda sim posso não ter problema?

      Excluir
    4. Não existe um único exame para se confirmar alergia. O diagnóstico é baseado em uma série de testes e sintomas. O exame de IgE no sangue é um deles, e costuma ser relativamente confiável para boa parte dos alérgenos.

      Como falei, resultados positivos não necessariamente significam a presença de alergia, porque existe a possibilidade de resultados falso-positivos. Os médicos costumam saber disso, e fecham o diagnóstico quando existem fatores suficientes -- entre os quais pode estar o exame de IgE -- para isso.

      Excluir
    5. Vou te explicar meu caso então
      meu IgE total é alto - (250 ku )

      Tenho medo de de repente ter um choque anafilático.
      Qual o melhor teste para descobrir a causa e retira-lo da alimentação? o médico disse que era alimentar sim e pelo prick test ( péssimo ) deu leite, camarão e carne de porco.....

      Não como isso faz tempo e ainda assim é alto.

      Excluir
    6. O IgE total pode estar elevado não por causa de algum alimento, mas devido a outros alérgenos. Muita gente possui alergia a outros fatores ambientais, como pólen e ácaro. Ou seja, mesmo se os resultados do prick test não forem falso-positivos, você realmente pode ter um grau de alergia a esses alimentos indicados. Mas isso não necessariamente significaria que eles são os principais contribuintes para o aumento do IgE. Podem ser, mas podem não ser.

      Não sei se existem exames de IgE para leite e para carne de porco; se existem, não conheço a especificidade e a sensibilidade desses testes. Mas é possível que existam. Então por que não medir IgE específico para camarão e, caso existam, para esses outros alimentos? E por que não fazer o IgE específico para alérgenos ambientais? Os resultados desses testes poderiam dar uma luz ao caso, e poderiam ajudar a dar suporte ou não aos resultados observados com o prick test.

      De qualquer forma, mesmo que você não faça nenhum teste adicional, você pode deixar de consumir os alimentos que deram positivo no prick test. Opções para substituir não faltam. E se você já não os consome há muito tempo, imagino que continuar isso não vai ser muito problemático.

      Excluir
  24. Olá, o que você pensa sobre esses artigos, uma vez que vc é um defensor de leite de vaca para adultos?

    http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292003000300006

    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/1291895

    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      São dois estudos observacionais, então podemos usá-los como geradores de hipóteses, mas não como conclusões sobre a relação entre leite e os problemas de saúde em questão.

      O primeiro é um estudo de caso-controle, enquanto o segundo é um estudo transversal. Devido a limitações de seus desenhos experimentais, esses são os dois "piores" tipos de estudo para usarmos como base para a compreensão da relação entre duas variáveis.

      Não estou descartando as correlações observadas, mas apenas colocando em perspectiva as limitações em questão. Como provavelmente nunca teremos ensaios clínicos testando diretamente a hipótese de causalidade entre consumo de leite x diabetes tipo 1, assim como consumo de leite x esclerose múltipla, temos que nos basear nos melhores estudos observacionais para entendermos a associação entre essas variáveis. No caso, os estudos de coorte. E não em apenas um ou dois estudos, mas no máximo que pudermos. Porque o mais comum, na área de nutrição, é encontrar estudos observacionais que contradizem um ao outro.

      Caso seja do seu interesse, no texto abaixo explico um pouco mais dos detalhes por trás dos tipos de estudos científicos, e por que temos que ter cautela na hora de avaliar a relevância de estudos observacionais:

      http://cienciadanutricao.blogspot.com.br/2014/12/tipos-de-estudos-cientificos.html

      Excluir
    2. Entendi.. vou ler sim, obrigado !

      Excluir
  25. Boa noite. Gostaria de saber se ovo de codorna é mais rico que de galinha. Gratidão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      Para boa parte dos nutrientes, as quantidades são próximas. Mas o ovo de codorna possui cerca do dobro de vitamina B12, zinco e ferro, em relação ao ovo de galinha. Além disso, pode ter até 4x mais vitamina A. Por outro lado, o ovo de codorna pode ter até 5x menos vitamina B2.

      A maioria das diferenças se dá pelo fato de que, considerando uma mesma quantidade dos dois tipos de ovo, consumimos mais gema com o ovo de codorna do que com o ovo de galinha. Como a gema é a parte mais rica em nutrientes dos ovos, existe uma tendência do ovo de codorna fornecer mais nutrientes em maior quantidade.

      Excluir
  26. Opa, tudo bom?
    Em um jejum de 12 horas, qual o nível de insulina vc acredita ser mais saudável?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      Você quer dizer após um único jejum de 12 horas, como se faz antes de exames de sangue? Ou seguindo um protocolo de jejum intermitente, no qual o período de jejum praticado é de 12 horas?

      Excluir
    2. Exame de rotina, insulina basal 12h de jejum ( pra fazer o exame )
      e deu 8.9
      Na internet eu assisti video daquele alair ribeiro falando que numa pessoa saudável sem resiliência a insulina o ideal é abaixo de 7. Quero saber se procede

      Excluir
    3. Na maioria dos casos, pessoas com a saúde metabólica em dia vão apresentar insulina basal abaixo de 7. Mas existem exceções. Usando um ponto de corte também arbitrário, valores abaixo de 10, no geral, ainda podem ser considerados bem tranquilos nesse sentido.

      Além disso, a insulina basal é um exame que tende a apresentar uma certa variação. Se dessa vez deu 8,9 pra você, é possível que numa próxima vez dê 7,5 -- ou um pouco menos, ou um pouco mais.

      O mais importante é saber como a insulina basal tem se comportado nos últimos meses ou até anos. Por exemplo, se você fizer três exames num mesmo ano, e todos eles mostrarem resultados abaixo de 10, não tem por que se preocupar. Se estiverem, em média, mais próximos de 7 ou ainda mais baixo que isso, melhor ainda.

      Excluir
  27. Aproveito pra perguntar também se mastigar muito ou bater no liqidificador suplemento com fibra faz as fibras se quebrarem.
    Valeu Obrigado ! =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essas práticas podem até levar a uma redução na quantidade de fibras, mas essa redução seria bem pequena. Nada que realmente afete os efeitos que as fibras exercem no corpo.

      Excluir
  28. Oii, Me ajuda mais uma vez?
    Sei que não é médico, mas poderia me esclarecer sobre um assunto científico? Através desse artigo, pode-se afirmar que hormônios bioidenticos são melhores do que os sintéticos?

    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19179815

    Thank youuuu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      Não posso ler o artigo completo, mas parece ser um estudo de revisão bem feito. Como não tenho um conhecimento tão profundo nessa área, não posso apontar eventuais falhas e limitações claras do trabalho, principalmente no sentido dos estudos que foram pesquisados e incluídos na análise.

      Mas faz sentido que hormônios bioidênticos tenham efeitos diferentes das versões sintéticas, incluindo maior eficácia e menores riscos. Simplesmente porque são formas que, a princípio, seriam mais adequadamente metabolizadas pelo corpo.

      Por outro lado, devemos considerar que essa revisão foi feita em 2009. De lá pra cá, é possível que resultados de outros estudos tenha alterado o que era considerado como "certo" há quase 10 anos. Talvez as evidências mais recentes apontem para a mesma direção, mas é possível que não.

      Excluir
    2. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21464264

      Obrigada João!!

      Excluir
  29. Sou estudante de nutrição, e antes mesmo de começar a cursar eu já alertava meu pai sobre o consumo de açúcar dele, é doce pra tudo e quando não é doce, é salgado na forma de carboidrato. Sempre falei com a desculpa de estar o engordando.

    Foi só quando ele ouviu do Lair Ribeiro que isso encurtaria e vida dele, causaria resistência a insulina e envelheceria precocemente que agora ele foi a metade que colocava antes. A verdade é que atualmente o exagero e o alerta são as únicas maneiras para conscientizar de verdade as pessoas...
    Foi a gota d´água ouvir ele falando que "o dotô disse que o açucar glica, inclusive o colágeno da pele "... eu falava de maneira simples desde 2013...

    ResponderExcluir
  30. É bom ter proteina no sangue?
    Fiz exame e deu 7 proteínas totais....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      Não é "bom" nem "ruim, é simplesmente normal ter proteínas no sangue. Um valor de 7,0 para proteínas totais está dentro do esperado.

      Excluir
  31. Olá, tudo bem?
    Seu texto é muito interessante. Eu tenho uma balança em casa e faço uma medição de massa todo dia pela manhã, se eu ingerir somente proteínas sem carboidratos, tenho uma perda de peso maior do que somente carboidratos antes de dormir. Inclusive utilizo isso como uma "técnica" para perda de peso quando extrapolo na alimentação.
    Esse seria um comportamento esperado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      Sim, essa é uma resposta esperada do corpo. A redução no peso provavelmente acontece porque, com uma menor ingestão de carboidratos, você ressintetiza menos glicogênio e libera mais glicose (durante a noite) dos estoques de glicogênio já existente. A glicose acumulada como glicogênio se liga a moléculas de água. Com menos glicogênio, uma perda aguda de peso pode acontecer.

      Mas, como pode ficar claro, essa perda de peso não é emagrecimento. É uma perda de peso, mas não na forma de gordura corporal.

      Excluir
    2. Aproveitando que você falou sobre glicogênio, órgãos importantes como cérebro utilizam a glicose como fonte única de energia, correto?
      O meu corpo pode sintetizar glicose utilizando lipídios?
      O mesmo pode acontecer para produção de glicogênio, utilizando lipídios?
      Obrigado João.

      Excluir
    3. Na verdade, a glicose não é a única fonte de energia do cérebro. Corpos cetônicos, principalmente quando a disponibilidade de glicose diminui, são fontes bem importantes de energia para o sistema nervoso central.

      Os triglicerídeos são lipídeos. Em sua composição, temos uma molécula de glicerol e três moléculas de ácidos graxos. O glicerol é um precursor de glicose. Então, tecnicamente falando, os lipídeos podem ajudar na produção de glicose. Mas essa conversão é baixa, então na prática normalmente não se fala muito da contribuição dos lipídeos para a geração de glicose (para a geração de energia sim, mas não na forma de glicose como substrato energético).

      Como pode existir produção de glicose por meio de lipídeos, teoricamente pode acontecer também a síntese de glicogênio, uma vez que esse glicogênio é um polímero de glicose. Mas, mesmo acontecendo, essa produção não é relevante, porque a maioria da glicose (já em quantidade pequena) seria direcionada para oxidação e geração de energia na forma de ATP.

      Excluir
    4. Ou seja, se eu quero ganho de massa muscular, não posso abrir mão do carboidrato, já que seria a principal fonte de para produção de glicogênio?

      Excluir
    5. Não é bem assim, porque o glicogênio em si não é essencial para o desempenho ou para o ganho de massa muscular. Mas isso também não significa que a restrição de carboidratos não poderia levar a um estado abaixo do “ideal” de estímulo ao ganho de massa muscular. Isso porque os carboidratos podem contribuir com a síntese de proteínas no músculo de outras formas, independentemente do glicogênio; por exemplo, por meio do estímulo à secreção e ação da insulina.

      Os estudos sugerem que uma dieta com restrição moderada de carboidratos parece não afetar o ganho de massa muscular, enquanto que restrições mais severas talvez possam deixar de levar ao estímulo máximo. E tudo depende também da restrição energética. Se houver uma redução na ingestão de calorias, low-carb parece não ser ideal para ganho ou manutenção de massa magra; se não houver, no geral não seria um problema.

      Em breve, provavelmente nos próximos meses, devo escrever sobre como as dietas low-carb influenciam o emagrecimento e a massa magra no contexto de atividades físicas de alta intensidade (musculação).

      Excluir
  32. "Por trás de toda doença crônica, há uma desnutrição"

    Concorda? Se sim, o que acha que pode ser feito para a população melhorar a alimentação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      Depende o que a pessoa que disse isso quer dizer com "desnutrição". Se for no sentido mais literal, das clássicas insuficiência ou deficiência de nutrientes levando a sinais e sintomas específicos, acho que não concordo. Por outro lado, se for num sentido mais amplo, de desbalanço no metabolismo de um ou mais nutrientes, incluindo a possibilidade de insuficiência ou deficiência, acho que concordo.

      Tudo depende do significado que damos às palavras. Assim como a minha resposta para a sua segunda pergunta depende do que você quer dizer com "o que acha que pode ser feito para a população melhorar a alimentação". Melhorar em que sentido?

      Excluir
    2. Você tanto entendeu como respondeu, desnutrição no sentido de falta da ingestão de MICROnutrientes principalmente. Ninguém carece de carboidrato, a dieta ocidental é pobre em fitoquímicos e alguns micronutrientes e alguns profissionais afirmam que genericamente a deficiência de micronutrientes incluindo flavonóides de vegetais estão por trás da maioria das doenças relacionadas com a idade. Aí eu pergunto, quais medidas políticas ou até sociais de conscientização deveriam ser feitas para a população entender que reeducação alimentar não é perfumaria?

      Excluir
    3. Não sei a resposta para o nível populacional, e talvez ninguém saiba. Se soubessem, talvez teríamos um cenário melhor do que temos hoje.

      Eu acredito que políticas públicas são importantes, mas não acho que elas vão trazer soluções. Porque o verdadeiro problema das pessoas não se alimentarem bem não está no nível coletivo, mas sim no nível individual. A raiz do problema é a mente das pessoas.

      Enquanto a mentalidade não mudar, enquanto os indivíduos não mudarem, não tem política pública ou social que vai solucionar o problema. Se programas ou informações fossem suficientes, todo mundo se alimentaria bem.

      Excluir
  33. Olá, João.
    Acho muito coerente manter uma dieta com carga energética maior durando o dia, porém, meu foco é ganho de massa muscular e sinto uma grande dependência de carboidratos. Infelizmente, minha disponibilidade para malhar é somente no período da noite em função do meu trabalho.
    Seguindo algumas orientações que pesquisei, inclusive observando a alimentação dos bodybuilders, é muito importante ingerir carboidratos no pré-treino e pós-treino com a finalidade de “facilitar” o ganho de massa muscular. Gostaria de saber seu ponto de vista sobre esse assunto:
    01. É interessante ingerir toda essa quantidade de carboidratos mesmo?
    02. No pós-treino, carboidratos de alto índice glicêmico são melhores porque mais insulina significar maior síntese te proteínas?
    Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      01) Não. Para muitas pessoas, uma certa quantidade de carboidratos é necessária para otimizar o ganho de massa muscular, mas essa quantidade é relativamente baixa. Entre 150 e 300 g/dia supre a necessidade de praticamente todo mundo.

      02) Não. Os carboidratos não são essenciais no pós-treino para estimular a síntese de proteínas no músculo. É verdade que mais carboidratos levam a uma maior secreção de insulina, assim como os carboidratos de alto índice glicêmico em relação aos carboidratos de baixo índice glicêmico também fazem isso. Mas essa insulina "excedente" não faz diferença. Literalmente todos os estudos que avaliaram o efeito de refeições sem carboidratos, mas com proteínas, no pós-treino verificaram que o estímulo máximo de síntese de proteínas no músculo acontece normalmente sem os carboidratos, desde que as proteínas estejam em quantidades adequadas.

      Excluir
  34. Boa noite! To apaixonado por uma balinha que até então pensava ser super prejudicial a saúde, acontece que eles fizeram uma versão diet sem açúcar e me parece que os ingredientes são mais naturais.
    Vou citar os ingredientes e gostaria que vc dissesse se realmente pode ser ingerida ás vezes por quem gosta muito, obrigada!!

    Água, concentrado de maça, cártamo, limão, hibisco, cenoura, groselha negra e espirulina, óleo vegetal não hidrogenado de coco e palmiste, edulcorantes: xarope de maltitol e sorbitol, gelificante: gelatina, acidulante: ácido cítrico e ácido láctico, aromas naturais de laranja, framboesa, maça verde, morango, pêssego e banana, e antioxidante: lactato de sódio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      Pela lista de ingredientes, parece sim ser um produto razoável. Provavelmente não tem problema consumir essa bala de vez em quando.

      Excluir
  35. Gostaria de saber se há evidencias de que arroz no brasil tem arsênio ou é tudo papo furado?
    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      O arroz de praticamente todos os lugares do mundo tem arsênio, principalmente o arroz integral. Mas a concentração de arsênio no arroz do Brasil é semelhante à encontrada no arroz de países que não apresentam contaminação. Ou seja, a princípio são concentrações normais, que provavelmente não representam um risco real para a maioria das pessoas.

      Excluir
  36. Boa tarde. Gostaria muito que vc fizesse um post sobre o iodo.
    Existe uma polêmico imensa que divide duas linhas médicas/nutricionais no Brasil. Uma que afirma termos excesso de iodo, causando riscos na população desde a infância. Outra afirma que a suplementação de iodo é bem vinda e que poderia até ter uma ação na gestação favorável.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ok, obrigado pela sugestão.

      Não vou comentar sobre o assunto porque eu realmente teria que ir mais afundo no assunto para dar uma opinião aprofundada e não enviesada.

      Excluir
  37. OLA.
    OLEO DE COCO FAZ BEM OU MAL,?
    OBRIGADA. MÔNICA

    ResponderExcluir