terça-feira, 15 de setembro de 2015

Você conhece a fibrose cística?




O desconhecimento — de diagnóstico, sinais, sintomas, tratamento — é um dos maiores problemas que circundam boa parte das doenças no mundo. E isso não é diferente com a fibrose cística. Por se manifestar com sinais e sintomas que não são exclusivos dessa patologia, os pacientes com fibrose cística muitas vezes demoram para receber o diagnóstico, dificultando a identificação e o tratamento da doença.

Aproximadamente 70 mil pessoas no mundo atualmente estão acometidas com fibrose cística. Só no Brasil, cerca de 4 mil pessoas estão em tratamento para a doença.

Nesse cenário, destaca-se a participação do Instituto Unidos pela Vida, cujas ações e palavras buscam difundir o conhecimento sobre a fibrose cística:


"Você sabia que pneumonia de repetição, tosse crônica, dificuldade para ganhar peso e estatura podem ser Fibrose Cística? Uma doença genética, ainda sem cura, que pode ser identificada no Teste do Pezinho ou através do Teste do Suor. Setembro é o Mês de Conscientização da Fibrose Cística, pelo Instituto Unidos pela Vida!".


Na imagem a seguir você pode conferir um pouco mais sobre essa doença que atinge 1 a cada 10 mil nascidos vivos no Brasil, além de saber onde encontrar ajuda:




O tratamento médico da fibrose cística é indispensável. Porém, vale ressaltar que, apesar de ser pouco difundido, a nutrição também pode auxiliar pacientes acometidos com a doença. Nesse sentido, a ciência já verificou que:
  • Dietas hipercalóricas e hiperproteicas são extremamente importantes para pacientes com fibrose cística, uma vez que alterações como insuficiência pancreática, má absorção de nutrientes, infecções pulmonares e inflamação crônica contribuem para um aumento das demandas energéticas e proteicas dos pacientes [1]. O ganho de peso através de nutrição enteral, suplementação ou alterações do estilo de vida podem ser estratégias valiosas para induzir o ganho  ou pelo menos evitar a perda  de peso dos pacientes [2].
  • A suplementação com aminoácidos essenciais pode auxiliar no estímulo à síntese proteica muscular e, assim, na manutenção ou ganho de massa magra [3].
  • Alimentos e suplementos que contêm nutrientes com potencial antioxidante — tais como vitamina E, coenzima Q10, vitamina A, carotenoides, vitamina K, selênio, cobre e zinco  podem e devem receber uma atenção especial para indivíduos com fibrose cística [4,5]. Alguns suplementos possuem uma formulação específica para os pacientes, justamente para otimizar a absorção de nutrientes, a qual normalmente é prejudicada pela própria doença [6,7].
  • Mesmo com evidências não muito claras, dietas com baixo índice glicêmico podem contribuir para a melhora dos pacientes [8], muito provavelmente porque é comum que exista uma deficiência na secreção de insulina na fibrose cística [9].
  • Gorduras com potencial anti-inflamatório, como o ômega-3 e o ácido gama-linolênico, são capazes de melhorar parâmetros respiratórios, inflamatórios e nutricionais [10,11].
  • Apesar de ainda ser pouco explorado, o uso de prebióticos e probióticos — para a modulação da microbiota intestinal e pulmonar — pode ser, num futuro próximo, uma estratégia complementar de tratamento da fibrose cística [12,13].

Para saber mais sobre a fibrose cística e poder, entre outras coisas, ajudar também a disseminar informações sobre a doença, acesse as redes do Instituto Unidos pela Vida:


***
Se você vê valor no meu trabalho, considere fazer uma contribuição.




Referências

1. Matel JL, Milla CE. Nutrition in cystic fibrosis. Semin Respir Crit Care Med. 2009;30(5):579-86.

2. Woestenenk JW, et al. Nutritional intervention in patients with Cystic Fibrosis: a systematic review. J Cyst Fibros. 2013;12(2):102-15.

3. Engelen MP, et al. Dietary essential amino acids are highly anabolic in pediatric patients with cystic fibrosis. J Cyst Fibros. 2013;12(5):445-53.

4. Sadowska-Woda I, et al. Nutritional supplement attenuates selected oxidative stress markers in pediatric patients with cystic fibrosis. Nutr Res. 2011;31(7):509-18.

5. Galli F, et al. Oxidative stress and antioxidant therapy in cystic fibrosis. Biochim Biophys Acta. 2012;1822(5):690-713.

6. Matel JL. Nutritional management of cystic fibrosis. J Parenter Enteral Nutr. 2012 Jan;36(1 Suppl):60S-7S.

7. Schindler T, et al. Nutrition management of cystic fibrosis in the 21st century. Nutr Clin Pract. 2015;30(4):488-500.

8. Balzer BW, et al. Low glycaemic index dietary interventions in youth with cystic fibrosis: a systematic review and discussion of the clinical implications. Nutrients. 2012;4(4):286-96.

9. Alicandro G, et al. Insulin secretion, nutritional status and respiratory function in cystic fibrosis patients with normal glucose tolerance. Clin Nutr. 2012;31(1):118-23.

10. Oliveira G, et al. Fatty acid supplements improve respiratory, inflammatory and nutritional parameters in adults with cystic fibrosis. Arch Bronconeumol. 2010;46(2):70-7.

11. Leggieri E, et al. Clinical effects of diet supplementation with DHA in pediatric patients suffering from cystic fibrosis. Minerva Pediatr. 2013;65(4):389-98.

12. Madan JC, et al. Serial analysis of the gut and respiratory microbiome in cystic fibrosis in infancy: interaction between intestinal and respiratory tracts and impact of nutritional exposures. MBio. 2012;3(4).

13. Li L, Somerset S. The clinical significance of the gut microbiota in cystic fibrosis and the potential for dietary therapies. Clin Nutr. 2014;33(4):571-80.



0 comentários:

Postar um comentário