terça-feira, 22 de setembro de 2015

Dieta Paleo: padrão-ouro de evidência





De forma semelhante ao que fiz para as dietas low-carb, esse post é uma coletânea de todas os ensaios clínicos — e da única revisão sistemática com meta-análise — que testaram exclusivamente o efeito de dietas paleo sobre a saúde humana.

Em ordem cronológica de publicação:














[Última atualização: 16/01/2019]


A dieta paleo é a única intervenção nutricional que, até o momento, em estudos do tipo ensaio clínico, sempre se mostrou superior a qualquer outro padrão alimentar à qual foi comparada. E os efeitos positivos, além de serem observados em todos os tipos de parâmetros metabólicos e de saúde, como peso, gordura corporal, gordura abdominal, gordura hepática, lipídeos sanguíneos, resistência à insulina etc., também mostram relevância clínica e não apenas relevância estatística.


---


***
Se você vê valor no meu trabalho, considere fazer uma contribuição.


10 comentários:

  1. Bom dia João
    O meu nome é Ulisses, acompanho seu blog há alguns meses, gostaria de tirar uma dúvida.
    Em relação as panelas que usamos para cozinhar, vi na internet algumas pessoas dizendo que o "teflon" ou antiaderente das panelas se soltam no alimento e podem causar doenças como alzheimer, também as panelas de ferro e de alumínio soltam gases nos alimentos e prejudicam a saúde.
    Conhece algum artigo de confiança em relação a isto?
    Qual a sua opinião a respeito?
    Quais tipos de panelas seriam mais seguras?
    Grato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ulisses!

      Acabei de responder lá pelo Facebook. Mas segue a resposta aqui também, caso seja do interesse de mais pessoas.

      A literatura indica que o teflon, desde que permaneça intacto, é seguro. Mas se o utensílio começar a descascar, o melhor a fazer é trocá-lo.

      As panelas feitas de cobre, alumínio e ferro podem liberar os respectivos minerais, que em excesso podem causar problemas. Porém, entre esses a opção mais segura teoricamente seria o ferro, já que o nosso corpo sabe lidar melhor com o “excesso” desse mineral. Por essa mesma lógica, o cobre seria preferível ao alumínio; o cobre é um mineral considerado essencial ao organismo, assim como o ferro, enquanto que o alumínio não é.

      As de inox e cerâmica seriam, teoricamente, opções bem seguras. A princípio elas não apresentam problemas que poderiam ser diretamente relacionados aos materiais das quais elas são fabricadas.

      Excluir
    2. Mais uma vez obrigado pela sua atenção!

      Excluir
    3. Boa noite, Ulisses!

      Já tive a mesma dúvida, e sem me delongar muito, a melhor solução mesmo são as panelas de vidro, pois elas não liberam nada.

      Excluir
  2. Boa tarde João
    Recebi hoje o resultado do meu exame, estou a aproximadamente três meses consumindo ovos, carnes, queijos, manteiga e iogurte com frequência e sem comer farináceos e doces. Além de perder 8 Kg, segue o resultado:

    Glicose: 68 mg/dl
    Colesterol total: 224 mg/dl
    Triglicérides: 46 mg/dl
    HDL: 68 mg/dl
    LDL: 147 mg/dl

    Acho que estou com o perfil lipídico bom.

    Me dê sua opinião, por favor.
    Grato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aparentemente nada com que se preocupar, principalmente considerando que houve uma perda de peso de 8 kg. Muito bom!

      Mas vou te dar uma sugestão. O LDLc, isoladamente, não é um marcador muito bom. Se possível, tente realizar o exame da apolipoproteína B (apoB) da próxima vez. A apoB mede, de maneira aproximada, o número de partículas de LDL.

      Excluir
    2. Boa tarde João!
      Farei sim, obrigado pela dica.
      Eu não citei, mas consumo verduras e legumes com frequência também, me alimento o mais próximo possível da dieta paleo, o que não me conformo é que os professores do meu curso de nutrição ainda falam que ovo aumenta o colesterol e a gordura saturada faz mal e engorda, eu pude comprovar na prática que isso é mito, além das informações que leio neste blog, no blog do Dr. Souto, e os vários artigos que falam a respeito da paleo e dietas low carb.
      Enfim, obrigado por compartilhar seu conhecimento, este blog é de grande valia para mim.
      Abraço.

      Excluir
    3. Talvez demore, mas as coisas vão mudar. E é nosso trabalho, como profissionais e futuros profissionais, de fazer parte dessa mudança.

      Agradeço a leitura e fico feliz por poder contribuir!

      Excluir
  3. Olá João!
    Percebi lendo os seus posts que vc é um defensor de dietas low carb. Eu concordo que essas dietas são padrão ouro para perda de peso, mas infelizmente a saúde humana não se resume a isso.
    Minha maior crítica a essas dietas é o altíssimo consumo de proteína. Já recebi mais de um paciente no consultório que eram adeptos a essas dietas e acabaram com Creatinina e ácido úrico elevados. Assim, gostaria de saber se existem estudos a longo prazo (pelo menos 2 anos) publicados em revistas decentes que garantam a segurança dessas dietas na saúde hepática e renal.
    Muito obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!

      Eu não sou defensor de dietas low-carb, mas sim defensor da ciência.

      E, considerando as evidências científicas, é seguro afirmar que os benefícios das dietas low-carb não se resumem à perda de peso. Posso te assegurar que, considerando a preponderâncias das evidências, você não vai encontrar, de maneira geral, prejuízos relacionados às dietas low-carb (quando comparadas a dietas "convencionais"). Isso não necessariamente as torna melhores, até porque a individualidade de cada pessoa vai determinar o que é mais adequado pra ela.

      Creatinina elevada a princípio não é um problema, a não ser que o paciente possua algum problema renal prévio (problema esse que muito, muito provavelmente não foi/será desenvolvido por um maior consumo proteico), normalmente caracterizado por baixa filtração glomerular. Ácido úrico elevado a princípio também não é/será decorrente de um aumento na ingestão de proteína, a não ser que o indivíduo tenha uma pré-disposição. Mesmo assim, a média das pessoas não apresentar aumento nesses parâmetros quando consomem dietas low-carb, sejam essas dietas com maior ou menor teor proteico.

      Quando olhamos a literatura, temos alguns estudos de longo prazo mostrando ausência de alteração em parâmetros renais com dietas low-carb. Existem evidências de um ano de acompanhamento, com indivíduos “normais” e diabéticos tipo 2:
      http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20338292
      http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26632754

      E há evidências com dois anos de acompanhamento, com pessoas “normais”:
      http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22653255

      A propósito, os 3 estudos foram publicados em revistas de boa qualidade, considerando a relevância em suas áreas e seus respectivos fatores de impacto.

      Além disso, se formos atrás da literatura sobre maior consumo proteico e saúde renal, independente de ser no contexto low-carb ou não, vamos continuar observando que a maior ingestão de proteínas não está relacionada ao desenvolvimento de problemas renais:
      http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16174292

      Outro detalhe importante: low-carb não necessariamente é sinônimo de dieta rica em proteína. Uma pessoa leiga pode, por falta de conhecimento, achar ou naturalmente adicionar mais proteína à dieta ao adotar uma dieta low-carb (não que isso seja ruim), mas um profissional consegue ajustar isso (caso ele queira) com certa facilidade.

      Por fim, gostaria de dizer que nutrição é experimentação. Digamos que um paciente apresente eventualmente alterações teoricamente negativas em alguns marcadores, e que isso parece ser decorrente de um aumento na ingestão de proteína. Nesse tipo de situação, basta trabalhar com outro padrão alimentar ou uma proporção diferente macronutrientes -- inclusive porque, como mencionei acima, low-carb não é sinônimo de dieta rica em proteína.

      Excluir